Destaque Notícias

Categoria em Greve defende liberdade de expressão, direito de Greve e exige negociação

Escrito por SINDSERM THE

Servidoras(es) municipais da Educação de Teresina, em Greve desde março deste ano, foram logo cedo para a sede da SEMEC nesta quarta-feira (04) onde foi realizado um ato público em defesa da liberdade de expressão, em resposta às ameaças que representantes do prefeito Firmino Filho (PSDB) e o próprio chefe do executivo vem fazendo contra quem reage contra as arbitrariedades da sua gestão e, ainda, para exigir negociação das pautas reivindicadas ao longo do ano.

O momento foi de fortalecimento da solidariedade de classe com as(os) lutadoras(es) que estão sofrendo perseguições políticas, tendo descontos indevidos e ainda têm direitos democráticos fundamentais ameaçados. A respeito de descontos de faltas ilegais, 78 profissionais de educação que se destacam na liderança da Greve da Educação Municipal sofreram este ataque.

Dentre as reivindicações foram elencadas também a exigência pelo pagamento das mudanças de nível e retroativos para toda a categoria, pagamento retroativo do piso e titulações, estrutura para atividades remotas e fim das aulas aos sábados, bem como o retorno das eleições em todas as escolas e CMEIs e o direito de participação em seis assembleias gerais anuais.

Todas as denúncias envolvendo a Educação Municipal, que são diariamente reforçadas com a Greve, foram repetidamente referenciadas no debate virtual com candidatos(as) a prefeito(a) de Teresina e chegou a provocar a manifestação de candidaturas para se colocarem em solidariedade aos profissionais e contra as perseguições. No ato realizado nesta quarta-feira, compareceram as candidatas do PSOL, Lucineide Barros (prefeita) e Cintia Falcão (vice-prefeita) e Brenda Marques (candidata a vereadora), e do PSTU, Gervásio Santos (prefeito) e Egmar Junior (vice-prefeito). A candidatura do MDB, de Dr. Pessoa, enviou representação de uma de suas assessorias.

O recado deixado pelas(os) lutadoras(es) da Educação é que a Greve continua e é legal. A devolução dos descontos indevidos deve ser determinada imediatamente pelo poder judiciário, onde já existem diversas denúncias contra os desmandos da Semec e da Prefeitura de Teresina. A categoria não aceita nenhuma forma de intimidação ou perseguição política e segue firme até que se faça Justiça.

Sobre o autor

SINDSERM THE

Sindicato das(os) Servidoras(es) Públicas(os) Municipais de Teresina

Deixe um Comentário